Antimofo e Aquecimento Térmico
Televendas (41) 3155-3111
Antimofo e Aquecimento Térmico
Televendas (41) 3155-3111

Conciliar Maternidade e Carreira

Uma tarefa que carrega consigo força extra, culpa constante e amor que estimula a crescer

Conciliar Maternidade e Carreira
23 de março de 2021 Hot System

A maioria das mulheres, quando crianças, brincaram de fazer das bonecas suas filhinhas queridas. São horas dedicadas àqueles bebês inanimados, onde a brincadeira sugere uma vocação nata para a maternidade. As menininhas que brincavam de boneca crescem e a diversão agora é construir uma carreira, seja para a satisfação pessoal, pela renda ou por ambos os motivos.

Geralmente lá pelos trinta e poucos anos a carreira está de vento em popa, as ambições de crescimento profissional estão latentes no seu interior e as oportunidades aparecem fazendo os olhos brilharem. Então, a vontade de ter uma bonequinha (ou bonequinho) para chamar de filha(o) volta a fazer parte do seu imaginário e a cada dia a torcida aumenta para que essa vontade se realize.

Mas, como conciliar a profissão e a maternidade?

Com menos ou mais idade, essa acaba sendo a história de muitas mulheres mundo afora. No Brasil, o número de mulheres que conseguem conciliar maternidade e profissão é expressivo. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais da metade das mães brasileiras trabalham, o que equivale a 28,1 milhões de mulheres. Em contrapartida, quase metade das mulheres que tiram licença maternidade perdem seus empregos em até 24 meses (Fundação Getúlio Vargas).

Tornar-se mãe, estatisticamente, freia o crescimento profissional e remunerativo das mulheres. Em uma pesquisa realizada pela revista Crescer, junto às leitoras que são mães, 94% delas relatam ter dificuldade para conciliar a carreira com a maternidade. E os motivos são:

  • Preconceito do mercado de trabalho com a mulher que se torna mãe (o que aumenta a pressão para que ela se prove continuamente e, consequentemente, aumente o estresse);
  • Políticas trabalhistas que não foram pensadas para as mães;
  • Falta de flexibilidade no esquema de trabalho;
  • Elas precisam recusar projetos mais ambiciosos ou promoções para terem tempo para o filho;
  • A chance de uma mulher sem filhos ser contratada é maior do que a de outra, com filhos, e com currículo semelhante.

Atualmente, uma mulher que trabalha fora de casa conquista independência financeira e contribui com a renda familiar, mas além disso ela também melhora sua saúde mental, por almejar realização pessoal e desejar trilhar uma carreira. Afinal, foram anos estudando e se aperfeiçoando para exercer uma profissão. Mas não se pode esquecer, que existem mulheres que optam pela maternidade exclusiva e assim se realizam, por acompanharem cada estágio do crescimento do filho, aproveitando um tempo que, se perdido, não volta mais.

A vida muda radicalmente depois do nascimento de um filho, principalmente nos dois primeiros anos de vida. Depois, não dá mais para imaginar a vida sem eles. Seja qual for a escolha da mãe, é certo que amor e trabalho não faltam quando os bebês chegam.

Ainda comemorando o mês das mulheres, fica aqui a admiração da Hot System por todas as mães profissionais, que enfrentam todas as batalhas para dar sustento e carinho às suas crias.